sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

♥ até a morte tem coração

quando a Morte conta uma história, você deve parar para ler

Um livro melancolicamente maravilhoso...
que eu, definitivamente, não leria uma segunda vez!
Ele consegue ser, ao mesmo tempo, meigo e irritante
desperta em que lê alegria e raiva
Nunca me emocionei tanto assim lendo um livro
Nunca chorei tanto assim lendo um livro
só quem leu entende o que quero dizer!

motivos para ler:
- é um livro encantador, perfeitamente narrado pela ceifadora de almas
- te prende a cada parte, a cada capítulo, a cada página, a cada palavra
te fazendo ler cada vez mais, mesmo temendo o que está no fim do parágrafo
- você se sente alí, dentro do livro, vivendo a história, como se ela fosse a sua, e não a de Liesel
- não é apenas a história de uma garota qualquer; é uma história que fisgará você completamente, e te fará emocionar-se como nunca

motivos para não ler:
- a morte tem coração, mas não é gentil na narração
uma riminha podre para te fazer entender que você sentirá muita, mas muita raiva em vários trechos do livro
- ela faz questão de te adiantar fatos que você não quereria ler nem quando fosse inevitável sabê-lo
- várias vezes você vai querer entrar dentro do livro e mudar a história!
ou então, ligar para Markus Kusak e obrigá-lo a reescrever o livro de uma maneira diferente
- mas o pior de tudo, é que, mesmo se você tivesse a oportunidade de mudar a história, você não o faria
pois sabe que se ela fosse diferente, não seria tão encantadora quanto é
não seria mais a história de Liesel Meminger.
P
oderia ser a história de qualquer outra garota, mas não a dela.
- é um livro encantador que faz com que sua cabeça quase exploda por causa das contradições de sentimentos que te dá!

o que mais amei no livro:
- a relação que Liesel tem com Hans Hubermann
- a história de amor dela com Rudy Steiner
- a amizade com o judeu Max


ok, ok, chega de filosofar!
uhauiahiu
aqui vai um trechinho do livro, só para entrar no clima ;P

"Além disso, em algum lugar, nos hiatos entre uma frase e a maiúscula seguinte, também havia Max. Liesel lembrou-se de ter lido para ele quando o rapaz estivera doente. Será que ele está no porão?, pensou com seus botões. Ou estará roubando de novo um vislumbre do céu?

- UMA IDÉIA BONITA -
Uma roubava livros.
O outro roubava o céu."